Manifesto

Logo do Manual

Lembro que criamos o Manual em uma mesa de bar lá em São João Del Rei. Estávamos bebendo e filosofando sobre a vida e os amores. Não conseguíamos entender este jeito desleixado e sádico de manter relacionamentos. Decidimos tomar uma atitude: criaríamos um meio de mostrar nosso descontentamento com estas práticas e mostraríamos que outros caminhos eram possíveis. Já havíamos enveredado em outra época pela internet com outros projetos, mas desta vez criaríamos um blog para expressar nossas ideias de forma que fugisse à panfletagem e os guias quadradões que surgem toda semana. Queríamos que o ato de entender e resgatar este romantismo perdido fosse prazeroso de se ler, que ele fosse feito de forma que você nota-se a mensagem ao se divertir lendo os textos.

De lá para cá o Manual já teve diversas contribuições e produtos. Durante um tempo distribuímos versões impressas do Manual por eventos pelo Brasil e já tentamos mais de uma vez produzir um podcast. Estamos pensando em novas produções tanto para aumentar o alcance de nossas ações, quanto diversificar as formas de fazer com que o Manual e suas ideias sejam compreendidos e a cada dia vemos que mais pessoas leem nossos escritos. Isso nos motiva a escrever e produzir mais.

O Manual peca muitas vezes pela falta de pessoas para escrever nossos textos e produzir material. Não que não existam candidatos, mas é que não adianta incluir em nossas frentes os candidatos sem que estes tenham ideias que se entrem em sintonia com nossa filosofia. Não queremos em momento nenhum que o Manual se torne somente mais um guia de conquista vazio e que reproduza o status quo. Para integrar o Manual, além de boa escrita, é preciso ser um sonhador e acreditar no amor. Acreditar mesmo que o mundo lhe dê provas diárias do contrário. Nossa equipe é composta por pessoas que ainda sonham. Pessoas que não tem medo de olhar nos olhos das pessoas e dizer o quanto elas são importantes, olhar no olho e dizer: Eu Gosto de você.

Mais de uma vez fomos chamados de loucos com nossa filosofia. Mais de uma vez fomos criticados por pessoas que achavam que nosso modo de agir não condizia com a realidade. Mas como viver exatamente igual aos demais se somos cá pessoas que andam na contra mão do mundo? Pra que ser mais um dos que falam sobre números ao invés de falar sobre os detalhes de cada uma de suas conquistas? Falar sobre o que cada uma representou em sua vida e admitir que sentimos sim falta dela quando isso ocorrer.

Somos aqueles sujeitos que vão te amar sem exigir que você siga os padrões de comportamento estabelecidos por uma sociedade burra e opressora, sociedade que diz que existem padrões de beleza que devem ser perseguidos com todas as nossas forças, num movimento gigante de eterna insatisfação. Nós te amamos pelo que você é. Amamos cada curva do seu corpo, amamos cada cicatriz, mancha de nascença. Amamos tudo que te torna única. Amamos seu jeito de sorrir, amamos seu jeito de habitar o mundo sendo apenas Você. Acreditamos na pessoa de verdade, na pessoa saudável e que não tem medo de ser livre. Amamos o real e é com ele que sonhamos.

E o Manual segue com seu trabalho. Segue nesta esperança e desejos de um mundo melhor e com formas de relacionamento melhores.

 @os canalhas

Nós acreditamos que é possível.

Anúncios

Encontros e Despedidas

Certa vez perguntei para uma garota se ela achava que uma rodoviária seria um lugar romântico, lembro bem que estava interessado na sujeita e sabe-se lá porque cargas d’água eu fiz esta pergunta. Ela não teve tempo para responder, pois seu ônibus estava chegando, mas esta pergunta nunca saiu de minha cabeça. Seja pela ironia dela ou por não ter conseguido fazer naquela situação com que a rodoviária fosse o lugar ideal para nosso primeiro beijo.

Hoje após ter pedido um ônibus por conta de no máximo 2 minutos e precisar ficar duas horas esperando o próximo, aproveito para olhar em volta e tentar responder esta pergunta.

Rodoviárias sempre são locais impessoais, lugar sempre abarrotado e desconfortável. Vejo tantas pessoas ao telefone, algumas andando perdidas ou correndo para as plataformas. Vejo bolsas dos mais variados tamanhos e imagino o que aquelas pessoas levam ali dentro e se soubesse, gastaria toda uma vida imaginando o que aquelas coisas representam para aqueles sujeitos. Vejo pessoas de todas as idades e tamanhos, pessoas de todas as localizações, algumas estão iniciando a viagem agora e outras podem estar a dias neste processo. Vejo famílias inteiras. Pais lutando bravamente para manter seus agitados filhos sobre controle. Estes mesmos filhos correndo felizes, sorrindo, gritando somente para demonstrar que aquele ali também é um local de diversão. Vejo pessoas sozinhas também. Estas quase sempre com o olhar perdido. Muitas exalam uma tristeza tremenda.  Vejo ao longe um senhor chorando, mas longe de mim perturbar sua vida tentando consolá-lo. Pessoas tristes em rodoviárias merecem ter um tempo de sofrimento seu, poderem sentir aquele momento fortemente. Tai, rodoviárias são lugares de grandes emoções.

Já vi famílias separadas em rodoviárias. Já passei por muitos hospitais nesta vida, mas o lugar onde mais vi lágrimas foi nas rodoviárias. Vejo um casal que luta para não se separar, mas o motorista do ônibus já ligou o motor e está buzinando para que eles se apressem. Não que ele seja um sujeito sem coração, mas ele por ter visto tantos casos assim, já deve saber que a despedida deve ser feita rápida, sem muito pensar. Parando para pensar, querendo sempre o último beijo as rodoviárias não seriam lugares de despedida e sim de permanência.

Mas vejo também um senhor esperando na plataforma até que chega outro ônibus e dele desce uma senhora. O senhor com os olhos mareados a abraça e lhe dá um beijo nas bochechas. Dá pra ver que são casados e de uma época em que demonstrações grandes de afeto são reservadas para os momentos em que estão sozinhos. Uma criança grita o pai da janela do ônibus e este corre para a porta para ter seu filho nos braços.

Não dá para ficar impassível diante e tanta coisa rolando. Saio, dou uma volta, bebo uma água e é tanta emoção ao meu redor que chego a arrepiar. Meu coração bate diferente e dá um pulo cada vez que nos alto-falantes é anunciada nova despedida. Sei que ali estão indo amores, desavenças esperanças e uma infinidade de outras coisas. Sei que muitas pessoas e lembranças ficam para trás, mas que a chegada é a oportunidade de novas esperanças.

Mas chega o momento em que é anunciado o meu ônibus. Pego minha mala e desço as escadas sem olhar para trás. Como você deve ter percebido sou um destes sujeitos solitários. Na minha partida não deixo lágrimas e nem receberei beijos na chegada. Eu poderia estar triste com este momento, mas existe tanta coisa dentro de mim que parece haver uma tempestade tropical no espaço entre minhas orelhas. Respiro fundo antes de entrar no ônibus. Só assim para dar outro passo nos caminhos que um dia ainda me levarão a você.

Jardel “Bandido” Maximiliano

Pistoleiro da Madrugada

Canalha sentimental de coração vadio

P.S. Lhes deixo uma música que lembra bastante estes momentos:

Mande notícias do mundo de lá
diz quem fica
Me dê um abraço, venha me apertar
tô chegando
Coisa que gosto é poder partir
sem ter planos
Melhor ainda é poder voltar
quando quero

Todos os dias é um vai e vem
a vida se repete na estação
Tem gente que chega pra ficar
Tem gente que vai pra nunca mais
Tem gente que vem e quer voltar
Tem gente que vai e quer ficar
Tem gente que veio só olhar
Tem gente a sorrir e a chorar

E assim chegar e partir
são só dois lados
da mesma viagem
O trem que chega
é o mesmo trem da partida
A hora do encontro
é também despedida
A plataforma dessa estação
é a vida desse meu lugar
é a vida desse meu lugar
é a vida…

Interrogações

Eu sou feito de tantas perguntas, tantas angústias e no mundo só há espaço para as respostas. Aquelas que vêm embaladas, em pacotinhos vendidos no mercado da esquina. Verdades que chegam pelas telas que iluminam rostos bitolados. Verdades empurradas garganta abaixo das crianças e jovens na escola. Verdade que começaram no exato momento em que esta criança perguntou alguma coisa e teve como resposta “Porque é assim”.

Quando era criança ao fazer uma pergunta sempre me respondiam e a seguir diziam: Mas você pode procurar sua resposta. Foi assim que aos poucos fui me tornando este sujeito que carrega sempre sobre os ombros, mais perguntas que respostas. Na verdade, nenhuma resposta me satisfaz. Cada resposta que encontro só em leva a mais perguntas e assim vou descobrindo que o mundo é para ser testado, ser provado.

É, eu sou um destes sujeitos que sempre fica olhando para o nada, que fica cantarolando em voz alta sempre que esta em um lugar que faz eco, que gosta da chuva e que sempre que quer, vai lá brincar nela. Sou daqueles que sorriem para as crianças e que mostram a língua para os sujeitos engravatados. Eu fico até bem de terno, mas o calor destas terras só me faz ficar ensopado de suor.

Eu sou aqueles que todos temem por não ter um padrão, por não querer uma rotina ou uma conta volumosa no banco. Foi questionando que aprendi a plantar tomates em vasos de planta e verduras em canteiros suspensos. Mas já ouvi de muitas pessoas que é bem mais fácil ir até o mercado e comprar lá. Igual as suas verdades.

Olha, eu sou este sujeito. Muitos não aguentariam esta na minha pele, mas cada um sabe o fardo que carrega. Tenho cá tantas perguntas que encheriam cada pequeno espaço da sua cabeça tão acostumada com respostas pequenas e embaladas à vácuo.

E Mesmo quando conheço bastante bem alguma coisa, muitas perguntas ainda vêm disso. Mesmo estando ao seu lado há tanto tempo, ainda surgem tantas perguntas sobre você que me mantém fascinado e cada vez mais apaixonado. Mas hoje preciso lhe fazer uma pergunta, pergunta importante e que carrego em meu peito já a um tempo, esperando a hora certa de lhe fazer:

pedido-de-casamento-o-que-dizer

– Quer casar comigo?

Jardel “Bandido” Maximiliano

Pistoleiro da Madrugada

Canalha sentimental de coração vadio

“Eu não sei o que fazer com esta mulher, mas com certeza ela não sabe o que está fazendo comigo.”

“Eu não sei o que fazer com esta mulher, mas com certeza ela não sabe o que está fazendo comigo.”

Esta frase foi a primeira que o dono do bar ouviu quando cheguei naquela madrugada e me sentei na primeira cadeira vazia que encontrei. Pedi logo um copo de cachaça. Vendo meu estado, ele deixou tudo que fazia e me serviu da cachaça mais forte, quase como se quisesse trocar meus problemas do coração pelos problemas com a bebida. Seria ótimo que ele conseguisse, mas no momento em que minha garota entrou no taxi aquela noite, acabou com toda a possibilidade de dormir tranquilo. Hoje com toda certeza o sono viria por conta do álcool.

Virei a primeira dose e na hora já senti minha boca e estômago queimando. O maldito havia escolhido a bebida mais vagabunda. Pelo meu estado ele deve ter achado que eu merecia o pior mesmo. Ele não é o único. Na verdade eu acho que todo o mundo reserva para mim sempre o pior. Mas ainda é possível sobreviver.

Chamei o dono e pedi outra dose. Apesar de estar com tudo queimando ainda, eu precisava de outro trago. A segunda veio já diminuindo a dor que eu sentia. As doses seguintes melhoraram um pouco a situação, mas vocês têm que concordar comigo que nestes momentos o ideal é conversar com alguém. E todo homem sabe que seja o garçom, seja o cara que atende no balcão do boteco, são nossos psicólogos nesta hora.

E no meu caso o sujeito já estava esperando impávido pelo meu relato. Pedi uma dose de uísque e comecei a contar minha triste história:

“Meu caro, há pouco tempo atrás conheci uma garota em um evento qualquer. Na hora nem me chamou muito a atenção, até porque eu estava correndo para resolver muitas outras coisas. Ela chegou, me foi apresentada e me disseram que eu iria trabalhar com ela. Já comecei a delegar algumas tarefas e disse que depois poderíamos conversar direito. Enfim, quando tudo acabou mal pude conversar com ela e já precisei ir embora.

Mas só depois que cheguei a casa e deitei a cabeça no travesseiro, foi que tive tempo de pensar naquela garota. Cara, você não imagina o quão simpática ela é, o quão alegre, a forma como ela cativa. Relembrando estas coisas e percebendo que eu perdi uma oportunidade de ouro de conhecer melhor aquela garota. Você já deve imaginar que  nem preguei os olhos aquela noite.

Fiquei procurando formas de reencontrar ela. Procurei seus contatos e acabei conseguindo seu telefone. Marquei uma saída. Havia um evento bem interessante na cidade e consegui convencê-lo a ir. Olha, me preparei como há muito tempo não me preparava. Caprichei em tudo: Cabelo, barba, roupas novas, perfume. Só não levei rosas para evitar ser clichê logo de cara. Qual não foi minha surpresa ao chegar ao local combinado e encontrá-la acompanhada de um grupo de amigos, segundo ela, aquele pessoal estava lá a seu convite, pois ela estava com saudade deles e aproveitou e os convidou. Imagina o banho de água fria que aquilo representou para mim. Você chega cheio de prosa, inspirado pelos maiores conquistadores que já pisaram na terra e ela traz toda uma tropa para se defender.

Aquela noite até que foi divertida, mas em nenhum momento consegui ter momento a sós com ela e fui embora naquele dia arrasado. Os dias passaram e cada vez mais eu sentia vontade de vê-la, mas ela era tão ocupada e eu via nestes compromissos intermináveis certa resistência em me encontrar. O mais engraçado é que quando eu já estava desencanando dela, ela mandava uma mensagem, me ligava ou encontrava algum outro modo de reavivar a chama no meu peito. E tanto insisti que consegui marcar com ela novamente. Consegui marcar para hoje. Se da primeira vez eu havia me preparado, desta eu estava mil vezes mais pronto. Havia encenado em casa e feito em minha cabeça mil teorias, tentando pensar em todas as suas possíveis respostas que ela poderia dar quando eu me declarasse.

Cheguei ao lugar marcado novamente, preparado para qualquer coisa, mas acho que fiquei bem espantado ao notar que ela estava sozinha. Conversamos e apesar de algumas amigas dela chegarem, em nenhum momento ela fez menção de ir com elas. Bebemos bastante e aos poucos as travas foram baixando. Minha timidez parecia que não ia me importunar desta vez.

Tudo parecia conspirar a meu favor, ela estava receptiva, animada e não economizava sorrisos. Faltava só o momento. E ele chegou de uma forma inesperada. Já meio bêbados estávamos esperando o sinal abrir e quando isso ocorreu, saímos correndo de mãos dadas. Os risos ecoavam pela rua e chegando ao outro lado nos abraçamos.

É aquele momento que todos experimentamos em que o olhar fixa no outro, o ar parece mais pesado, os pensamentos desaparecem, fica só a vontade. Vontade que em boas circunstâncias acabam por levar ao beijo. E é preciso advertir que você não pode hesitar neste momento. Não pode pensar, não pode escolher, você só deve se entregar. Mas no meu caso, no único momento em que não devia, eu tomei ar. Isso mesmo, meu caro. Eu tomei ar. Respirei fundo na hora. Tantas vezes eu havia feito tantas coisas erradas por não ter tido o tino de respirar um pouco e colocar as coisas no lugar. Hoje, quando devia ter evitado, eu respirei fundo. O encanto se quebrou. A garota já olhou para outro lado, saiu do meu abraço e sem graça, já fez sinal para que um taxi parasse.

Eu até tentei pedir que ela ficasse, mas o estrago já havia sido feito.  Do taxi ela me mandou um beijo e foi embora.”

E foi assim, Cara que eu acabei aqui. Depois de perder uma chance destas, somente o entorpecimento alcoólico me ajudaria a viver com esta vergonha. Eu estou querendo explodir e o pior é que eu não sei se vou ter outra chance destas. Ela foi embora e eu acho que ela queria me beijar. Cara, vê o que esta mulher tá fazendo comigo. Eu que nunca havia dado uma bobeira destas, hoje eu dei. Eu que era focado em minha vida, a tempo não consigo deixar e pensar nela. De todas as ao meu redor, eu quero somente ela. E eu nem consegui me declarar. Me diz o que é que eu faço agora com minha vida!

– Olha, ouvindo tudo isso que você disse aí só posso te dizer uma coisa que todo mundo já deveria saber, não têm como fazer voltar estas chances. Mas não custa nada reforçar: Deus não permite tomar ar, se você o fizer, com certeza vai perder mais do que sabia que poderia ter.

Depois de dizer isso ele em vez de me servir outra dose deixou lá a garrafa e disse que eu poderia ficar á vontade. Pelo menos esta regalia eu pude aproveitar neste dia. E os lábios que deviam ter beijando a mulher que eu quero, acabaram no bico de uma garrafa de uísque barato.

 

Jardel “Bandido” Maximiliano

Pistoleiro da Madrugada

Canalha sentimental de coração vadio

Deixa explicar o que é Amar

Não é fácil escrever sobre amor, mesmo que tantos guias e cartões digam o contrário. Por mais que vários poetas façam parecer que é a coisa mais simples do mundo, a realidade é bem diferente. Sinceramente acho que escrever melhor sobre o amor quem nunca o sentiu, afinal o amor de verdade te rouba toda a capacidade de traduzir o que se sente para o papel. Acho que só consigo escrever estas linhas por estar bem motivado, mas mesmo assim não vejo nestas linhas nada que preste.

Mas se é para falar de amor eu digo o seguinte:

O amor é para os loucos, para as pessoas que não têm medo de perder tudo.

Amar é perder suas certezas, é ir contra várias promessas que fazemos principalmente aquela de nunca se apaixonar novamente.

Amar é manter-se acordado, mesmo quando o sono está forte, para ouvi-la contando como foi seu dia.

É aprender alguns truques sexuais e até aceitar algumas estranhezas, aprendendo que entre quatro paredes vale tudo! (Ok, muitas coisas continuam sendo estranhas mesmo com o passar do tempo).

É ligar para a pessoa e saber que ouvir a voz dela vai melhorar o pior dos teus dias. E quando você ama bastante entende que é preciso ter seus momentos sozinhos para lembrar que você ainda é um sujeito, mesmo ainda querendo tanto a outra pessoa.

Quando você ama acaba mandando mais mensagens, conversando mais ao telefone e aprende que qualquer coisa pode tornar-se tudo durante uma briga.

Haverá dias em que você ficará encantado. Vai acordar mais cedo somente para admirar a pessoa dormindo. Eu chamo isso de “Vigiar seu sono”.

Amar é lutar constantemente contra o medo de te perder, Fulana. Amar é acabar tendo que em alguns momentos e assumi-lo diante de todos.

Linda, você me pediu que tirasse nosso amor da surdina e nossos beijos do escuro.

Fulana, hoje assumo que você é a mulher da minha vida, minha companheira e quem me ajuda a ser feliz. E hoje, por uma série de motivos que listei acima, posso dizer com toda a certeza e tranquilidade:

EU TE AMO!

Jardel “Bandido” Maximiliano

Pistoleiro da Madrugada

Canalha sentimental de coração vadio

Música para melhorar a segunda

Segue abaixo meus caros uma singela música para colocar um sorriso em seu dia e um pouco de calor em seu coração

SOULSTRIPPER . O Conto do Nerd e Seu Coração Partido

Mas que fique claro a pergunta:
” Quem não se apaixona não sofre, mas cadê a graça?”

Jardel “Bandido” Maximiliano

Pistoleiro da Madrugada

Canalha sentimental de coração vadio

Ela gosta de Los Hermanos…

Tudo bem, eu sei que não podia esperar outra coisa, até por que nos conhecemos justamente na fila de um show dos Los Hermanos. Foi justamente nesta última turnê que fizeram e onde os ingressos esgotaram rapidamente. Mas em minha defesa eu posso dizer que eu não estava ali pelo show. Estava para ajudar um amigo.

Este sujeito havia comprado dois ingressos, um para ele e outro para a namorada, e fora corneado na mesma semana. Como bom amigo que sou, levei uma garrafa de boa cachaça e seguimos para o evento, afinal Los Hermanos é bem dor de cotovelo.

Enfim, naquela confusão toda, aquele tanto de gente, empurra-empurra na fila a guria estava ali logo à nossa frente. Eu e meu amigo tentávamos a duras penas acabar com a garrafa antes de entrar no show quando a sujeita veio e perguntou o que era aquilo. Quando soube que era cachaça sem se fazer de rogada ela já pegou e deu um longo gole. Disse que aquilo sim é que era bebida!

– Neste momento eu já me encontrava com os olhos brilhando e o coração meio descompassado por ela –

Papeamos um cadinho até entrarmos no local do show e lá dentro nos separamos. Fiquei zanzando pelo local até que o show começou. Meu amigo mais que depressa saiu em arrastando até a frente do palco e ali em meio aos fãs enlouquecidos fui ficando surdo por conta dos gritos. Não posso negar que a música era muito boa e que algumas eu até conhecia, mas têm que entender que lá na frente do palco, logo perto das grades não há meios de apreciar o show. Para o meu amigo devia ser o nirvana, pois a cada música ele cantava junto e chorava bastante. Até entendo o sujeito: ganha um par de chifres justamente quando ia levar a guria no show do grupo que marcou o namoro deles.

Acho que foi quando começou a tocar “Sentimental” que eu notei a guria da fila ali perto. Como quem não quer nada fui me aproximando e a cumprimentei. Ela me abraçou e começou a acompanhar a música. Retribuindo o abraço a puxei para bem perto e a beijei. Quanto estava rolando “Último Romance” já não havia meios de nos separar. Vi o show a partir daí sendo misturado ao cheiro dela, seus beijos saborosos, a maciez da sua pele. Foi dos melhores shows de minha vida. Não notei o tempo passando, mas quando dei por mim os “Hermanos” estavam encerrando show e tínhamos que nos despedir. Eu lá todo romântico não queria de modo algum que a noite acabasse, mas ela me disse:

-Preciso ir embora que amanhã já é outro dia e preciso acordar cedo

Peguei seu número de telefone e prometi ligar depois. Peguei meu amigo que neste momento já estava aos beijos com uma estranha e segui rumo minha casa. No caminho, por uma coincidência dos infernos, começa a tocar no rádio “Todo Carnaval têm seu fim” e a noite foi se encerrando de forma Magistral.

Fiquei pensando na guria durante todo o resto da semana e quando liguei para ela ouvi em resposta:

– Garoto, não sei o que você fez, mas fiquei querendo teu beijo de novo!

Sim, meus amigos, este é o momento em que os fogos de artifício pipocaram pelo céu, o mundo ficou melhor e todos estes clichês.

Com esta guria fui a pelo menos mais dois shows dos Barbudos, a pedidos dela deixei também minha barba crescer. Comecei a escutar umas bandas que ninguém mais conhecia. Mais de uma vez os “Hermanos” embalaram nossos momentos e foram eles que serviram de sinfonia para nossa separação, mas esta já é outra história…

Jardel “Bandido” Maximiliano

Pistoleiro da Madrugada

Canalha sentimental de coração vadio

FALTA TÃO POUCO TEMPO

Eu estive esperando por este momento por um ano. Começou exatamente quando entrei naquele ônibus em São Paulo e olhava pela janela esperando que você viesse se despedir. Eu sabia que você havia feito a promessa de não aparecer naquele momento, pois não gostava da situação, mas mesmo assim este bobo esperançoso queria que você não tivesse sido tão forte.

Voltei pensando em você e lembrando os momentos que passamos juntos. De como foi bom te conhecer e da forma como o destino une duas pessoas tão diferentes e do modo como estas misturas inesperadas têm resultados fantásticos. Você me conheceu em uma das festas mais loucas da minha vida. Vejo pelas fotos que meu estado era deplorável e infelizmente não me lembro de nada da festa antes de você. Na verdade quase todas as lembranças daquele evento se foram. Ficaram somente aqueles em que você estava presente.

E sinto agora com a proximidade de minha viagem que não sei se estou pronto. Tanta coisa para preparar, presentes que quero te dar. Preciso cortar o cabelo, fazer a barba e malhar. Protelei os exercícios e agora tenho a certeza de que meu corpo não está à altura do seu merecimento.

Preciso de um colchão para a barraca, pois quero o seu conforto. Lençóis novos para que você se sinta bem. E preciso de uma barraca nova, maior, do tamanho do meu desejo. Levo algumas iguarias: o doce de leite que você gostou, o queijo que provou e a cachaça que facilitou sua entrega.

Não sei, quis tanto este momento e agora a insegurança me bate. Tenho medo de não ser quem você espera e tenho a certeza de que você estará bem alem das minhas expectativas. Mas já vou lembrando que neste mundo é preciso coragem para gostar de alguém e contigo sei que esta qualidade não me falta. A cada dia que passa sei que você fica mais perto de mim.

O mais engraçado é que este tempo até te ver parece ser dez vezes maior, como se os segundos estivessem se arrastando somente para correrem mais depressa quando você estiver em meus braços. Os mesmos que não esqueceram o quão bom é envolver sua cintura e trazer você bem apertada junto do meu corpo.

Linda, o tempo passou e tá chegando o momento em que poderei olhá-la novamente e poder provar do teu beijo que me acompanhou durante todo este ano. Estaremos juntos novamente por uma semana em Cuiabá e sei que a cidade estará mais quente por conta de nosso desejo, por isso te prepara. Fique pronta para superarmos nossos índices de felicidade juntos. E você não perde por esperar este Nego que sonhou e te desejou por tanto tempo. E fica tranquila que vou entregar todos os beijos que guardei para você durante todo este ano.

Do Seu,

Jardel “Bandido” Maximiliano
Pistoleiro da Madrugada
Canalha sentimental de coração vadio