Só um dia ruim?

É como uma grande montanha de entulho e alguém joga uma pedrinha lá em cima e tudo desmorona. Meu dia foi parecido com isso, mas para ficar igual seria preciso trocar o entulho por um monte de merda. Agora imagine tudo caindo em cima de mim.

Vou mudar a linha do tempo e começar aqui do final. Ver se começando do fim, eu consigo voltar àqueles momentos que antecederam o inicio de todas as confusões.

 

Ao chegar a casa eu precisava de uns goles. Nada muito pesado, mas só umas doses para entorpecer um pouco o corpo. Só um pouco de alivio no meio da bagunça toda. Fui ao boteco vizinho de casa e lá sou informado que por problemas com  a entrega, eles estavam sem cerveja. Perguntou se eu queria mais alguma coisa e tive que me segurar para não pedir veneno. Comprei só um refrigerante e me tranquei em casa. Ela fedia demais, pois ao tentar abrir a ultima garrafa de vinho da dispensa, acabei derrubando tudo e perdendo o precioso liquido. Tentei limpar a sujeira, mas acabou que os produtos de limpeza que usei só fizeram piorar o cheiro. Chegou ao ponto de precisar usar um pano amarrado no rosto para conseguir transitar.

Abri a geladeira e tirei de lá uma garrafa de Steinhaeger. Meu objetivo era misturá-lo na cerveja, mas na falta dela, ia ser com refrigerante mesmo. Refrigerante de Guaraná com Steinhaeger. Espero que seja efetivo.

 

A gota final para decidir o porre foi justamente a ligação da mulher que amo. Eu sei que estamos aos trancos e barrancos, mas ela é quem me encanta. Acontece que depois de uns vacilos meus a nossa relação anda balançada e nesta última ligação ela terminou tudo. Depois de tanto tempo, ela decidiu por um fim na confusão que se virou nossas vidas. Não a culpo, acho que não conseguiria isso de modo algum. Sou destas pessoas de difícil convivência e que nunca aceita estar errado. Eu sou assim e não mudo, qualquer pessoa esperta corre para bem longe quando descobre isso.

Foi tenso ela ter ligado quando eu estava saindo do trabalho. Sai mais cedo fugindo dos gritos do meu chefe. Problemas em uma planilha que já deveria ter sido enviada e centenas de pessoas teriam seus salários atrasados por conta deste descuido. Eu já estava meio balançado durante o dia, mas naquela hora em que tentei terminar a planilha, eu só queira terminar aquilo para ir embora. Não sei o que arrumei no teclado, mas no mesmo momento em que mandei salvar o trabalho, digitei um comendo errado e todos os dados foram embora. Tudo perdido. Uma semana inteira tentando finalizar aquilo e eu estraguei tudo. Uma semana tentando provar que eu merecia aquela vaga e perdi minha melhor chance.

 

Tenho certeza que estaria bem mais centrado no trabalho se por acaso minha obturação não houvesse caído durante o almoço. Eu adiava há meses ir ao dentista e o preço foi cobrado. Tava eu lá bem feliz mastigando minha carne moída e do nada soltou a obturação. Muita dor e um almoço mastigável abandonado.

 

Eu sei que você deve estar pensando que é sofrimento demais e que minhas doses são merecidas. Eu poderia contar o que em aconteceu pela manhã, mas eu preciso poupá-los de mais desgraça. Eu preciso me poupar de lembrar mais coisas. Só assim para dormir hoje. Isso e mais algumas doses. Deixem-me aqui afundando neste mundo de entorpecência que o álcool proporciona. Deixem-me catando as migalhas que me sobram de vida para dormir hoje. E façam um favor a um podre bebum: DEIXEM-me curtir a ressaca sozinho amanhã. Só isso que eu quero. Deixem-me ficar com um sofrimento que eu escolhi e não um que é resultado das minhas escolhas. Deixe cá essa velha carcaça queimar no álcool. Deixem esse cara dormir até amanhã.

Pode ser?

 

____________________________________________________________________________________________________________

jardelitoJardel Maximiliano

Nascido nas terras quentes da Zona da Mata, Jardel mudou-se várias vezes e neste período adquiriu toda sorte de experiencias e profissões.

Atualmente é Psicólogo Diplomado . Trabalha com Extensão Universitária e Cultura, além de ser conselheiro amoroso.
Canalha Sentimental por criação e membro Sócio Fundador do Manual.

Gosta de passeios à luz da lua e de fazer amor em lugares públicos e continua sendo homem para casar.

 

 

Anúncios

Dá licença Nabokov

Data máxima venia ao famoso lepidopterista e responsável por dar forma e letra a uma das figuras mais marcantes do nosso imaginário erótico, hoje eu vou de Balzac e Sergio Reis.

LOLITA - FILM

Ante a tantos fibroblastos, projetos de bunda na nuca, exposição facebuqueana e fotos com bico de pato, a que se fazer um desagravo às balzaquianas, aquelas que vivem “o ápice poético da vida das mulheres”.  Afinal de contas, “Menina nova é muito bom, mas mete medo/Não tem segredo e vive falando à toa”.

Não sei quando nem como a minha admiração por mulheres mais velhas (e aqui vou usar “mais velhas” sim, pois se trata de um elogio.) começou. O fato é que sempre nas novelas, filmes e revistas, foram elas que mais me chamaram atenção. Obviamente que quando menino (e ainda hoje) tinha e tenho minhas ninfetinhas do momento. Ah, mas basta aparecer uma Ângela Vieira, Julianne Moore, Sophie Okonedo, Sonia Braga, Claudia Alencar, Camila Pitanga, Monica Bellucci, Letícia Sabatella, Cris Vianna, Patrícia Pillar, etc., etc., etc. lá se vai toda minha atenção.

Acredito que minha avó e meu pai (calma tio Freud) sejam minhas grandes influências e responsáveis por esse meu gosto. Dois grandes admiradores dos filmes das décadas de 50 e 60 me apresentaram belezas como as de Sophia Loren, Ava Gardner, Rita Hayworth, Vivien Leigh, Lauren Bacall e por aí vai.

elas

You tá de brinqueichon uite me, cara?!

Por outro lado, existem diversos clichês que cercam o universo das mulheres mais velhas: são como o vinho, é a possibilidade de uma transa de uma noite só, sem a “neura” do dia seguinte das novinhas. Já outros são mais levianos: toda solteirona depois dos 40 é uma devassa, vadia que só quer saber de sexo fácil, rodada e por aí vai. Para os que pensam assim, eu indico que leiam esse texto aqui.

Não penso que a idade seja, em si, a questão nisso tudo. Existem mulheres mais novas muito mais maduras que um bando de “coroa” por aí. Assim como, existe muita “coroa” fazendo papelão, tentando agir como se tivesse 20 anos (não vou adentrar no universo masculino nesse quesito, pois nele, perdemos feio). Mas ainda assim, acho que há algo de errado quando nossas musas têm cada vez menos idade e não passam de uma babe-face montada num corpo escultural. Basta voltar nossos olhos para as novelas, filmes, séries e revistas, uma mulher com mais de 30 anos já é considerada uma “mulher mais velha”. Tão querendo o quê? Fazer com que as mulheres sigam os padrões de um atleta, de um jogador de futebol? Passou dos 30 já é fim de carreira? Ah, perdoai-vos pai, eles não sabem o que dizem.

FRIENDZONE

doug

Não tem como, todos nós, em algum momento da vida, já passamos por isso: ter aquela garota que você deseja, mas que te vê somente como um grande amigo. Na verdade vai muito além disso, ela te vê como uma pessoa inofensiva, alguém que não representa risco algum. Ela te trata exatamente como a uma amiga.

Não há nada contra ter amigas mulheres. Todo homem precisa conviver com mulheres sinceras que lhe ensinem como um sujeito deve tratá-las, mas algumas relações beiram o doentio. Vê-se lá o sujeito venerando a garota, mas esta o mantém a uma distância segura e nunca leva a sério as investidas deste.

O cara passa a viver cada dia mais das migalhas que ela lhe dá, ele se contenta somente em dividir o mesmo recinto que ela, sem nunca sair daquela situação. Obviamente ela não tem obrigação nenhuma de ficar com o sujeito e deve deixar isso bem claro para não abrir brecha para más interpretações. Ao sujeito cabe entender que nem todas as mulheres do mundo são para ele e que nem sempre conseguimos o amor das deusas que veneramos. E ele precisa entender os sinais. Afinal, ninguém chega nesta situação sem que ambos permitam isso.

E o sujeito vai vê-la desfilando com muitos outros caras enquanto ele chupa o dedo. Aqueles caras, ao invés de criar uma relação de veneração, tratam a mulher como uma mortal. Esta é uma coisa que todos devemos entender quando nos apaixonamos: por mais que a pessoa aos nossos olhos tenha uma magia única e especial, ela continua sendo mais uma pessoa comum. Ao endeusarmos o outro, ficamos com medo de agir, perdemos as dicas e sinais que o outro manda e por fim, acabamos virando mais um amigo. Novamente reafirmo que nada de mal há nisso, o problema é quando não é isso que você procura.

Quem está na friendzone e deseja mudar as coisas, antes de tudo vai precisar se afastar. Vai precisar entender exatamente o que ele quer e pensar como conseguir. Vai precisar mexer neste conforto que ser o amiguinho dela traz e deixar bem claro quais são as suas intenções. Não dando certo o ideal é seguir sua vida e manter uma relação mais saudável com a garota. Você há de encontrar uma pessoa que vá te tratar e ser tratada de uma forma onde nenhum dos dois perderá.

____________________________________________________________________________________________________________

jardelito

Jardel Maximiliano

Nascido nas terras quentes da Zona da Mata, Jardel mudou-se várias vezes e neste período adquiriu toda sorte de experiencias e profissões.

Atualmente é Psicólogo Diplomado . Trabalha com Extensão Universitária e Cultura, além de ser conselheiro amoroso.
Canalha Sentimental por criação e membro Sócio Fundador do Manual.

Gosta de passeios à luz da lua e de fazer amor em lugares públicos e continua sendo homem para casar.

 

“Eu não sei o que fazer com esta mulher, mas com certeza ela não sabe o que está fazendo comigo.”

“Eu não sei o que fazer com esta mulher, mas com certeza ela não sabe o que está fazendo comigo.”

Esta frase foi a primeira que o dono do bar ouviu quando cheguei naquela madrugada e me sentei na primeira cadeira vazia que encontrei. Pedi logo um copo de cachaça. Vendo meu estado, ele deixou tudo que fazia e me serviu da cachaça mais forte, quase como se quisesse trocar meus problemas do coração pelos problemas com a bebida. Seria ótimo que ele conseguisse, mas no momento em que minha garota entrou no taxi aquela noite, acabou com toda a possibilidade de dormir tranquilo. Hoje com toda certeza o sono viria por conta do álcool.

Virei a primeira dose e na hora já senti minha boca e estômago queimando. O maldito havia escolhido a bebida mais vagabunda. Pelo meu estado ele deve ter achado que eu merecia o pior mesmo. Ele não é o único. Na verdade eu acho que todo o mundo reserva para mim sempre o pior. Mas ainda é possível sobreviver.

Chamei o dono e pedi outra dose. Apesar de estar com tudo queimando ainda, eu precisava de outro trago. A segunda veio já diminuindo a dor que eu sentia. As doses seguintes melhoraram um pouco a situação, mas vocês têm que concordar comigo que nestes momentos o ideal é conversar com alguém. E todo homem sabe que seja o garçom, seja o cara que atende no balcão do boteco, são nossos psicólogos nesta hora.

E no meu caso o sujeito já estava esperando impávido pelo meu relato. Pedi uma dose de uísque e comecei a contar minha triste história:

“Meu caro, há pouco tempo atrás conheci uma garota em um evento qualquer. Na hora nem me chamou muito a atenção, até porque eu estava correndo para resolver muitas outras coisas. Ela chegou, me foi apresentada e me disseram que eu iria trabalhar com ela. Já comecei a delegar algumas tarefas e disse que depois poderíamos conversar direito. Enfim, quando tudo acabou mal pude conversar com ela e já precisei ir embora.

Mas só depois que cheguei a casa e deitei a cabeça no travesseiro, foi que tive tempo de pensar naquela garota. Cara, você não imagina o quão simpática ela é, o quão alegre, a forma como ela cativa. Relembrando estas coisas e percebendo que eu perdi uma oportunidade de ouro de conhecer melhor aquela garota. Você já deve imaginar que  nem preguei os olhos aquela noite.

Fiquei procurando formas de reencontrar ela. Procurei seus contatos e acabei conseguindo seu telefone. Marquei uma saída. Havia um evento bem interessante na cidade e consegui convencê-lo a ir. Olha, me preparei como há muito tempo não me preparava. Caprichei em tudo: Cabelo, barba, roupas novas, perfume. Só não levei rosas para evitar ser clichê logo de cara. Qual não foi minha surpresa ao chegar ao local combinado e encontrá-la acompanhada de um grupo de amigos, segundo ela, aquele pessoal estava lá a seu convite, pois ela estava com saudade deles e aproveitou e os convidou. Imagina o banho de água fria que aquilo representou para mim. Você chega cheio de prosa, inspirado pelos maiores conquistadores que já pisaram na terra e ela traz toda uma tropa para se defender.

Aquela noite até que foi divertida, mas em nenhum momento consegui ter momento a sós com ela e fui embora naquele dia arrasado. Os dias passaram e cada vez mais eu sentia vontade de vê-la, mas ela era tão ocupada e eu via nestes compromissos intermináveis certa resistência em me encontrar. O mais engraçado é que quando eu já estava desencanando dela, ela mandava uma mensagem, me ligava ou encontrava algum outro modo de reavivar a chama no meu peito. E tanto insisti que consegui marcar com ela novamente. Consegui marcar para hoje. Se da primeira vez eu havia me preparado, desta eu estava mil vezes mais pronto. Havia encenado em casa e feito em minha cabeça mil teorias, tentando pensar em todas as suas possíveis respostas que ela poderia dar quando eu me declarasse.

Cheguei ao lugar marcado novamente, preparado para qualquer coisa, mas acho que fiquei bem espantado ao notar que ela estava sozinha. Conversamos e apesar de algumas amigas dela chegarem, em nenhum momento ela fez menção de ir com elas. Bebemos bastante e aos poucos as travas foram baixando. Minha timidez parecia que não ia me importunar desta vez.

Tudo parecia conspirar a meu favor, ela estava receptiva, animada e não economizava sorrisos. Faltava só o momento. E ele chegou de uma forma inesperada. Já meio bêbados estávamos esperando o sinal abrir e quando isso ocorreu, saímos correndo de mãos dadas. Os risos ecoavam pela rua e chegando ao outro lado nos abraçamos.

É aquele momento que todos experimentamos em que o olhar fixa no outro, o ar parece mais pesado, os pensamentos desaparecem, fica só a vontade. Vontade que em boas circunstâncias acabam por levar ao beijo. E é preciso advertir que você não pode hesitar neste momento. Não pode pensar, não pode escolher, você só deve se entregar. Mas no meu caso, no único momento em que não devia, eu tomei ar. Isso mesmo, meu caro. Eu tomei ar. Respirei fundo na hora. Tantas vezes eu havia feito tantas coisas erradas por não ter tido o tino de respirar um pouco e colocar as coisas no lugar. Hoje, quando devia ter evitado, eu respirei fundo. O encanto se quebrou. A garota já olhou para outro lado, saiu do meu abraço e sem graça, já fez sinal para que um taxi parasse.

Eu até tentei pedir que ela ficasse, mas o estrago já havia sido feito.  Do taxi ela me mandou um beijo e foi embora.”

E foi assim, Cara que eu acabei aqui. Depois de perder uma chance destas, somente o entorpecimento alcoólico me ajudaria a viver com esta vergonha. Eu estou querendo explodir e o pior é que eu não sei se vou ter outra chance destas. Ela foi embora e eu acho que ela queria me beijar. Cara, vê o que esta mulher tá fazendo comigo. Eu que nunca havia dado uma bobeira destas, hoje eu dei. Eu que era focado em minha vida, a tempo não consigo deixar e pensar nela. De todas as ao meu redor, eu quero somente ela. E eu nem consegui me declarar. Me diz o que é que eu faço agora com minha vida!

– Olha, ouvindo tudo isso que você disse aí só posso te dizer uma coisa que todo mundo já deveria saber, não têm como fazer voltar estas chances. Mas não custa nada reforçar: Deus não permite tomar ar, se você o fizer, com certeza vai perder mais do que sabia que poderia ter.

Depois de dizer isso ele em vez de me servir outra dose deixou lá a garrafa e disse que eu poderia ficar á vontade. Pelo menos esta regalia eu pude aproveitar neste dia. E os lábios que deviam ter beijando a mulher que eu quero, acabaram no bico de uma garrafa de uísque barato.

 

Jardel “Bandido” Maximiliano

Pistoleiro da Madrugada

Canalha sentimental de coração vadio